1. O QUE É O SISTEMA DE SUSPENSÃO DO CARRO?

O sistema de suspensão tem como função estabilizar o carro durante sua movimentação. Ele amortece os impactos causados pelas irregularidades da pista. Assim, os impactos não são transmitidos para o motorista e passageiros. Além disso, a suspensão mantém o veículo na altura adequada e alinhado com as vias.


Por causa da suspensão, o chassi (placa que suporta os sistemas do veículo) não é ligado diretamente nas rodas. As peças que fazem a conexão absorvem as forças externas que causariam incômodo e prejudicariam outros componentes do veículo. O amortecedor faz parte do sistema. É um componente que possui as seu próprio mecanismo e finalidade mas trabalha para que a suspensão funcione perfeitamente, complementando-a. A suspensão é constituída de peças flexíveis – que absorvem os movimentos das rodas – e essa flexibilidade não é instável. Isso pode fazer com que o chassi desempenhe movimentos verticais ríspidos e transfira o peso de uma roda para outra – causando estabilidade. É então que os amortecedores entram em ação. Eles foram desenvolvidos para controlar esses efeitos no sistema de suspensão.


Precisando de um serviço automotivo?
Informe o serviço que precisa e receba orçamentos pelo WhatsApp


QUAL A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE SUSPENSÃO?
A importância da suspensão está na performance do carro e na segurança dos passageiros. Ao contrário do que muitos motoristas pensam, a potência do carro envolve outros fatores além do motor. Mantendo o veículo estável, a suspensão ainda garante a aderência das rodas ao solo – principalmente em curvas, frenagens e situações em que o carro perde estabilidade. Isso melhora o desempenho na pista e proporciona maior conforto durante a viagem. Também gera economia, pois evita desgastes irregulares nos pneus.
Dica: Para que o sistema funcione adequadamente, é preciso fazer as manutenções preventivas de acordo com as recomendações da montadora. Caso perceba alguma anomalia – principalmente ruídos –, não hesite em Sherlocar para descobrir do que se trata e levar o veículo a um mecânico indicado. Faça o alinhamento toda vez que modificar o veículo ou os pneus.


2. QUAL A VIDA ÚTIL DO SISTEMA DE SUSPENSÃO?
A vida útil do sistema de suspensão é de 40 mil quilômetros. Após o prazo de validade a eficiência do sistema é muito reduzida e o carro pode perder estabilidade facilmente. Ainda se as peças estiverem gastas ou rompidas, você pode perceber algumas falhas no desempenho do seu possante. Normalmente o espaço de frenagem aumenta, os pneus se desgastam mais rápido, a condução do carro fica mais difícil e ruídos são percebidos – falaremos mais sobre esses problemas no item 6.


Atenção: Tanto o amortecedor quanto a suspensão devem ser revisados antes do prazo estipulado, por segurança. Ainda mais se estiverem com vazamentos, mal fixados, amassados ou travados. Em situações extremas, a troca é necessária. Por esse motivo que você deve fazer a manutenção periodicamente. Esse tipo de problema não é prevista nos prazos de validade. Prestar atenção nas mudanças de comportamento do carro também ajuda.


Dica: É recomendado que você troque os amortecedores em conjunto com a suspensão. Muitas vezes será necessário substituir outras peças como as molas e a bandeja. Então faça tudo junto para garantir que os componentes antigos não prejudiquem os novos.


3. O QUE COMPÕE O SISTEMA DE SUSPENSÃO?
A suspensão é resumidamente um conjunto de colunas formadas por três componentes principais: as molas, os amortecedores e os coxins. As molas ajustam as rodas às imperfeições da pista – expandindo e retraindo de acordo com a necessidade. Os amortecedores absorvem o impacto – como falamos anteriormente. Por fim, o coxim serve de suporte para os outros componentes. As demais peças servem para auxiliar as outras. Vamos falar de todos detalhadamente a seguir:


a) Molas
As molas têm a função de reduzir o impacto das vias. Por isso os impactos não são tão sentidos pelos passageiros. Elas podem ser do tipo helicoidal – as molas comuns como você conhece, normalmente feitas de aço e enroladas em forma de hélice cilindra ou cônica. Podem ser do tipo feixe de molas também – um conjunto de uma ou mais lâminas de aço sobrepostas que são muito flexíveis e resistentes. De acordo com o modelo de carro, as molas podem ser instaladas na coluna da suspensão ou em suportes destinados a elas.
Atenção: Quando carros são rebaixados, é porque as molas foram cortadas ou comprimidas. Isso diminui a vida útil da suspensão. O rebaixado é mais estável porque o centro de gravidade é mais próximo ao chão, mas não é tão confortável.


b) Amortecedores
O amortecedor é um dos itens mais importantes do sistema de suspensão. Sem ele, as molas não dariam conta do trabalho e o carro “quicaria” durante todo o trajeto. Com essa interferência seria impossível controlar o veículo. O amortecedor controla os efeitos da mola. Quando ela se comprime, os amortecedores entram em ação se estendendo lentamente. Isso balanceia a ação das molas e mantém o automóvel estável.
É basicamente um cilindro que contém óleo ou gás no seu interior, com uma haste no meio. Essa haste fica em contato com a molas. Ela afunda no cilindro pressionando o óleo – que é levemente escoado para outro recipiente – quando a mola se retrai. A densidade do óleo permite que o sistema se desloque gradativamente. Assim, mantendo o controle das oscilações do carro.


c) Braço Oscilante (Bandeja de Suspensão)
O braço oscilante – ou bandeja de suspensão – é a peça que conecta a coluna de suspensão ao chassi do carro. A sua função primária é ser apoio da coluna de suspensão. Ele é necessário porque a coluna trabalha em movimento o tempo todo e precisa de um ponto fixo. Além do apoio, a bandeja garante o alinhamento da suspensão, suporta as forças laterais durante as curvas, limita e controla o movimento das rodas em frenagens e arranques.
Uma das extremidades da bandeja é fixada na carroceria por buchas emborrachadas. A outra é presa na coluna da suspensão pelo pivô. Essas buchas são flexíveis e auxiliam no movimento da bandeja evitando ruídos.


d) Pivô de Suspensão
A função do pivô é ligar a carroceria ao cubo da roda. É uma peça que suporta bastante peso e recebe muita força durante manobras mais densas – como curvas e frenagens. O pivô permite que a coluna de direção rode em seu próprio eixo. Isso ajuda no controle de direção do carro. Também auxilia a suspensão nos movimentos de subida e descida o que deixa o braço livre para oscilar.


e) Batente do Amortecedor
O batente atua encaixado na haste do amortecedor. Alivia a pressão do amortecedor, fazendo com que não siga o seu percurso até o final. É fabricado a base de uma espuma de polímero resistente a impactos.


f) Barra Estabilizadora
Peça fixada à carroceria com o auxílio de buchas, e nas colunas pelas bieletas. É uma peça muito importante para suspensão por fazer a ligação entre as duas colunas do sistema. Isso favorece o veículo quanto a estabilidade na estrada.


g) Coxins
Os coxins são peças metálicas revestidas de borracha que servem para aliviar o impacto do amortecedor na carroceria do veículo. Além de sustentar a suspensão, ela faz o movimento rotacional que gira o volante. É nesse componente que o amortecedor se apoia para prender no carro.


4. TIPOS DE SUSPENSÃO DE CARRO
Existem três tipos de suspensão: a independente, a dependente e a suspensão a ar. Vamos detalhar cada uma delas e também falar como os tipos de amortecedores interferem na dinâmica do carro.


a) SUSPENSÃO
I. Suspensão Dependente
É a suspensão que vem na maioria dos carros. Neste modelo, um lado da suspensão depende do outro porque eles estão interligados. Dessa forma, quando uma roda passa em alguma saliência na pista, o outro lado sente inevitavelmente. Com isso, a carroceria acaba inclinando para o lado, perdendo a estabilidade e sendo sua desvantagem. A vantagem é a distribuição uniforme do peso do veículo.


II. Suspensão Independente
Já o sistema independente promove uma melhoria na estabilidade pois as rodas não são interligadas. Se um lado da suspensão levanta, o outro permanece no lugar. Assim, a carroceria continua reta. Por atuar muito bem, os automóveis leves, médios, grandes e de luxo usam a suspensão independente na dianteira. Os veículos esportivos optam por usar nas quatro rodas. A suspensão independente opera por meio de molas helicoidais, barras de torção ou por amortecedores duplos. Isso ajuda na estabilidade.


III. Suspensão a Ar
O sistema de suspensão a ar foi desenvolvido para manter o veículo a uma altura constante do solo independentemente da carga. No lugar das molas convencionais são instaladas bolsas de ar que são infladas ou murchas de acordo com a necessidade. Fazendo assim, o carro subir e descer. O sistema possui um compressor de ar – que é acionado pelo motor -, um tanque de alimentação, um filtro – ou condensador, válvulas, tubulações, os controles e as bolsas de ar.


b) AMORTECEDORES
Para funcionarem, os amortecedores contam com válvulas e pistões para que a troca de ar/gás e a pressão do óleo movimente as peças:


I. Amortecedores de Ação Simples
É o tipo mais simples de amortecedor. Consiste em uma estrutura cilíndrica onde desliza o pistão e as válvulas. O óleo é separado do gás por outro pistão. Esse modelo é mais longo e fino em relação aos amortecedores de dupla a ação que falaremos a seguir. Por isso é mais usado na suspensão traseira de carros mais baratos.
O fato de ser uma peça simples é a sua maior vantagem em relação aos demais: a fabricação é barata e a instalação bem fácil. No entanto, sofre um pouco no funcionamento. A disposição do sistema prejudica a performance. O que costuma desgastar a peça, causar vazamentos e espanar outros componentes.


II. Amortecedores de Dupla Ação
Esses são a evolução dos amortecedores anteriores. São chamados assim devido a presença de duas câmaras (cilindros) que reservam os fluídos. Esses cilindros são interligados por válvulas que abrem e fecham de acordo com a necessidade para que o óleo no interior se desloque entre as câmaras sem perder pressão.
Em relação ao modelo simples, esses são mais compactos e possuem um diâmetro maior que compensa a falta de altura.


III. Amortecedores Pressurizados
Neste modelo de amortecedor, o ar é substituído por nitrogênio. O nitro é injetado a baixa pressão em um cilindro único – nos modelos de dupla ação. O nitrogênio aumenta a quantidade de moléculas de oxigênio e esfria o sistema. Por isso é mais usado em carros que exigem muito da suspensão.


IV. Amortecedores Estruturais (Strut)
Os amortecedores estruturais possuem uma configuração que absorve melhor os impactos do pavimento, e ainda suportam a força do contato da roda com a pista.


5. PROBLEMAS FREQUENTES COM A SUSPENSÃO DO CARRO
O maior componente e também o mais complexo do sistema de suspensão é o amortecedor. Por esse motivo, é o que mais causa problemas. As outras peças acabam mais auxiliando e são facilmente trocadas em caso de problemas. Separamos então, os defeitos que costumam aparecer em amortecedores:


a) Travagem
Os amortecedores auxiliam na frenagem do veículo. Quando estão desgastados, a distância entre o acionamento dos freios e a efetiva frenagem aumenta. Isso é muito perigoso em situações emergenciais. Normalmente essa mudança de comportamento do carro é perceptível no dia-a-dia. Leve seu carro a um mecânico assim que perceber problemas.


b) Iluminação irregular da via
Quando os amortecedores estão ruins, os faróis dianteiros oscilam com o movimento do carro. Então, a iluminação da pista fica comprometida. Isso é muito perigoso para a sua segurança. A iluminação deficiente dificulta a sua visão e de outros condutores e pode gerar acidentes. Quando perceber a luz irregular, agende uma revisão do sistema.


c) Desgaste estranho dos pneus
Amortecedores corroídos desgastam os pneus. O desgaste impede os pneus de aderirem no asfalto. Quando o pneu fica livre para se mover, acaba criando um padrão de desgaste. Quando a situação piora, ruídos são percebidos e tração é comprometida. Não é seguro! Verifique o padrão de desgaste dos seus pneus periodicamente.


d) Guinadas em curvas ou ventanias
Se sentir que o veículo está “fugindo” ou guinando nas curvas, ou que oscila sempre que há uma rajada de vento forte, pode ser que esteja com os amortecedores danificados. Isso prejudica a estabilidade do carro e aumenta a chance de aquaplanagem.


e) Direção desalinhada
Se perceber que a direção permaneceu desalinhada após uma curva, significa que seus amortecedores estão com defeito. Os solavancos e movimentos dos pneus são transmitidos por todo o veículo. Acontece quando o volante não volta a posição original e o condutor precisa realinhar a rodas. Também é perceptível uma rigidez na direção.


f) Marcas de óleo do chão
Está vazando óleo do seu carro? Pode ser que os seus amortecedores estejam com alguma fuga de fluido. O óleo da suspensão pode ser de coloração avermelhada ou transparente e aparecer na região das rodas. Essa falha deve ser corrigida o mais rápido possível! Quando os amortecedores estão debilitados, os outros componentes do sistema ficam comprometidos também. Pode acabar danificando a carroceria, os pneus e colocando a sua vida em risco. É importante fazer as revisões e ir a um mecânico quando problemas são percebidos.


g) Mergulho da dianteira
Acontece quando você aciona os freios e o carro tende a permanecer em movimento pela força de inércia. Por isso, a dianteira do veículo se rebaixa e traseira levanta. Esse movimento é acentuado em carro com problemas no amortecedor e pode causar muito estresse nos freios dianteiros, reduzindo o desempenho dos traseiros. Como resultado disso você terá dificuldades para controlar e conduzir o carro.


h) Rebaixamento traseiro na aceleração
Oposto do anterior, durante a aceleração, a dianteira do veículo tende a se levantar enquanto a traseira abaixa. O nível de elevação da dianteira é controlado pelo amortecedor. Quando ele está defeituoso, o carro perde tração e o controle da direção.


i) Perda de tração
Esse problema pode ocorrer tanto na frenagem, quando na aceleração ou em curvas. Acontece quando os pneus não conseguem manter a aderência a pista. Isso resulta na perda de controle do veículo. É uma situação causada por amortecedores desgastados que não conseguem mais controlar os movimentos dos pneus e do chassi.


j) Jogo de batentes
Os solavancos são normais no sistema de suspensão. O problema é quando o pneu começa a fazer movimentos agressivos decorrentes dos solavancos. Normalmente, essa situação é amenizada pelos batentes do amortecedor mas eles podem ser danificados e não atuar como deveriam. Se o carro começar a pular demais, agende um especialista para verificar os batentes.

Está em dúvida se precisa deste serviço? Use o Sherlocar, a ferramenta de diagnóstico online que te ajuda a descobrir o problema do seu carro.


Encontre as oficinas certas para você e compare orçamentos:
Revisão Do Sistema De Suspensão em São Paulo
Revisão Do Sistema De Suspensão em Rio de Janeiro
Revisão Do Sistema De Suspensão em Belo Horizonte
Revisão Do Sistema De Suspensão em Curitiba
Revisão Do Sistema De Suspensão em Brasília
Revisão Do Sistema De Suspensão em Porto Alegre
Revisão Do Sistema De Suspensão em Goiânia
Revisão Do Sistema De Suspensão em Fortaleza
Revisão Do Sistema De Suspensão em Salvador
Revisão Do Sistema De Suspensão em Campinas
Revisão Do Sistema De Suspensão em Recife
Revisão Do Sistema De Suspensão em Guarulhos


A sua oficina agora está online!


A Sua Oficina Online trabalha para diminuir a falta de confiança que os consumidores têm no setor de reparação automotiva, fornecendo gratuitamente informação e ferramentas que conectam donos de carro com as oficinas mecânicas mais bem avaliadas pelos clientes de todo Brasil.


Aqui você compara o preço de serviços mecânicos das melhores oficinas próximas de você.

Sua Oficina Online

Sua Oficina Online

Encontre oficinas próximas a você e compare preços de serviços mecânicos gratuitamente e em poucos cliques

Leia Mais
REVISÃO DO SISTEMA DE SUSPENSÃO
Share this

Subscribe to Sua Oficina Online